Tudo passa

 

Eu desafio você a observar os sentimentos e as emoções que passam pelo seu corpo e imaginá-lo como se fosse um fio elétrico cuja energia está sendo conduzida através dele. Quando um fluxo energético é percebido, nossa mente imediatamente dá um significado a ele, empacotando experiências para rapidamente lidar com aquela situação e economizar energia. Desta forma, quando nos sentimos frustrados, por exemplo, buscamos algo que justifique aquele sentimento e, é claro que imediatamente encontramos muitas razões, assim sendo, recriamos a todo o momento nosso mundo a partir de experiências passadas.

Agora pense nas emoções como a correnteza de um rio, às vezes ela está calma e outras agitada, se tentarmos bloquear sua força, o represamos e ela se intensifica. O mesmo fazemos com nossos sentimentos, quanto mais tentamos evitá-los maiores eles se tornam, já notou? Se ao invés disso, simplesmente imaginássemos essa corrente como “energia”, sem rótulo ou história associada. Lembre-se que da mesma forma que elas vêm elas se vão. Tudo passa, sempre passará, seja tristeza ou alegria.

Parte do sofrimento que sentimos vem da identificação que nossa mente estabelece entre um quantum vibracional que atravessa nosso corpo e os acontecimentos da nossa vida. Associamos fatos a uma energia e como resultado, criamos um catálogo de experiências passadas e emoções as quais chamamos de “eu”. Sou medroso, estou ansioso, sou assim. Desta forma, passamos a perceber a vida através desse filtro e não como realmente ela se é, com o ineditismo, vigor e a beleza que o presente nos oferece.

Amplie sua consciência e treine a habilidade de observar sua mente a perceber que você não é suas emoções, elas apenas passam por você. Faça esse exercício e liberte-se para experimentar o sabor sublime de sua essência.